Alimente sua alma. Inspire Sonhos!
Telefone
A trajetória da jornalista Nathália Monteiro

Nasci e cresci na Casa Verde Alta, bairro periférico da Zona Norte de São Paulo. Sempre muito arteira e sonhadora, um dos meus hobbies de infância era subir no pé de abacate do meu quintal, pegar gibis emprestados das amiguinhas e ler! Além de Gibis, adorava outros livros que mexiam com minha imaginação e me faziam “viajar” na história. Os livros eram meus grandes aliados, pois me permitiam viver em lugares que gostaria de estar. Maurício de Souza e Pedro Bandeira eram meus escritores favoritos.

Nunca gostei de brincar de boneca, em minha época, nenhuma me representava! Então, preferia jogar bola, empinar pipa e “ostentar” minha garrafa pet sempre cheia de bolinhas de gude. Quando conseguia uma ficha ou outra no boteco ao lado, adorava jogar fliperama. Tive uma infância maravilhosa apesar das dificuldades, colecionava sorrisos, bolinhas de gude e cicatrizes.

Na periferia, a informação e a cultura não chegam. Pior ainda na década de 1980/90, em que a Internet ainda não era uma ferramenta usada para expandir como é nos dias de hoje. Por isso, tive que procurar referências fora dali. Minha mãe, nordestina semianalfabeta, lutava pela sobrevivência dos filhos. Ela não sabia da importância dos estudos nem ao menos explicar o que é ser negra, mulher e pobre num país como o Brasil. Mas Dona Dalva, baiana, mulher forte e cheia de garra, sempre me ensinou a erguer a cabeça e manter a honra e a honestidade em qualquer lugar ou situação. Meu pai era doente, alcoólatra. Ele não conseguia se ajudar, muito menos conseguia fazer isso pelos três filhos. Mas apesar do vício e de não conseguir cumprir com êxito o papel de pai, tinha um grande coração e era um homem muito bondoso, e foi exatamente nisso que me espelhei.

Aos treze anos comecei a trabalhar porque a vida se apresentou como: “Ou você domina o mundo, ou o mundo domina você”! Fui procurar referências fora do meu ambiente familiar, senão seria mais uma mulher que cresceria como o sistema quer – sem estrutura, sem estudo, sem oportunidades e oprimida (e a lei é implacável com os oprimidos).

O amadurecimento foi precoce e com muito esforço e muita luta conquistei o primeiro diploma da família ao me formar em Jornalismo. Mas antes disso, já havia realizado o sonho de estudar fora do Brasil e aprender outro idioma (Inglês). Tudo consequência de muito suor e determinação!

Hoje, a menina-mulher que vos fala, garante que o grande segredo é não deixar os sonhos morrerem dentro de você. Tudo é possível! O acesso é para todos! No entanto, são poucos que têm a coragem de se jogar e ver as oportunidades ainda que o mundo tente provar que elas não existam.

Nós somos do tamanho dos nossos sonhos! De que tamanho você é ou quer ser? Eu sei que aquela menina que sonhava em cima de um pé de abacate até a mulher que ela se tornou hoje quer ser muito grande! Por isso meus sonhos nunca deixaram de ser grandes! E cada conquista vem com um sabor de “quero conquistar ainda mais e fazer a diferença no mundo”.

Resiliência e fé tornaram-se as palavras essenciais da minha vida (até as tatuei). De todas as dificuldades, eu vi uma oportunidade! De toda a força que havia e ainda há dentro de mim, foi a fé que me moveu e ainda move para ir além e lutar sempre pelos meus sonhos. E outra palavra que aprendi que é importante em tudo que fizermos é GRATIDÃO. Não adianta conquistar e não agradecer. Ser grato é uma dádiva e só nos atrai o bem e nos aproxima ainda mais das nossas conquistas.

E eu agradeço a Deus todos os dias pela dádiva da vida, pela oportunidade que cada amanhecer nos oferece! E pelo simples fato de não ter me intimidado pelo mundo e não ter deixado que ele massacrasse os meus sonhos como ele faz com o de tantas pessoas.

Foto de destaque: Marcos Mesquita

1 Comentário

  • Giu Zaramello Posted 30 de maio de 2018 17:15

    Que orgulho da mulher que você se apresenta Nath! Como foi gratificante pra mim poder passar poucos dias ao seu lado vendo a pessoa maravilhosa que tu é. Não conheço você a fundo, mas qualquer um pode ver pelo seu sorriso a mulher guerreira que está por trás dele. Em poucas conversas, eu aprendi muito contigo. Só tenho a agradecer! Parabéns mulher, você se tornou um dos meus exemplos!!! “Quero ser como você quando crescer”. Gratidão!!!! 💜

Adicionar Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *